Browsing Tag

União Soviética

Cultura

Uma parceria muito simbólica

November 20, 2018

Há algum tempo descobri que o ucraniano Eugene Hütz e sua banda Gogol Bordello gravaram uma música linda com a cantora russa Regina Spektor. Levando em consideração que a Rússia e a Ucrânia encontram-se em conflito desde 2014 e que os dois artistas foram obrigados a sair de seus respectivos países por conta de perseguição gerada por um governo autoritário, achei que isso daria um excelente post.

O nome da música é “Seekers and Finders” e a letra é uma incrível reflexão sobre a vida e a procura por um propósito cheia de metáforas que #entendedoresentenderão. Já havia me sentido tocada pela música e tudo passou a fazer mais sentido quando me aprofundei na pesquisa sobre os artistas e entendi todo o simbolismo que fundamenta essa parceria. Para assistir ao videoclipe da música é só clicar na imagem abaixo.

Continue Reading…

Cultura, Viagens

Uma semana em Moscou – Museus

October 5, 2018

Comentei nesse post que Moscou não deixa nada a desejar quando se trata de museus e eu fiz questão de dar uma atenção especial para esse tema na hora de preparar meu roteiro. Sou rata de museus porque acredito que se aprende pra caramba numa simples visita. Esses são os posts que mais me dão trabalho de preparar e eu adoro escrever, mas são os que menos são lidos também. Esse é especialmente importante por conter informações muito relevantes para quem vai apertar o botãozinho da urna no próximo domingo porque aqui eu mostro o que a Rede Globo não mostra.

Como já tinha dito nesse post, o passado soviético é motivo de orgulho na Rússia e a conquista espacial é um dos destaques desses velhos tempos, então eu e marido fomos logo no primeiro dia visitar o Museu da Cosmonáutica. O museu é enorme (como tudo em Moscou), interessante, porém achei que deixa a desejar quanto às informações em inglês. Ele fica mais afastado do centro, mas vale a visita para quem se interessa pelo tema.

Continue Reading…

Cotidiano, Cultura, Kiev

Visita ao ВДНГ (VDNKH)

April 3, 2018

Se você leu esse título e pensou “vêdêoquê?”, calma que eu te explico. O ВДНГ (é uma sigla e a pronúncia é algo como “VDNRRÁ”) é um centro de exposições inaugurado no dia 6 de julho de 1958 com a finalidade de exibir tudo o que era produzido nas áreas de agricultura, indústria, construção, ciência, transporte e cultura da República Socialista Soviética da Ucrânia. Localizado no parque Holosiiv, o centro de exposições ocupa uma área total de 286.3 hectares e possui 180 pavilhões, dos quais 20 possuem status de monumentos históricos e culturais da Ucrânia.

A arquitetura dos pavilhões é um grande exemplo do monumentalismo soviético, com suas colunas clássicas e grandes afrescos com representações de camponeses e trabalhadores. Os melhores artistas soviéticos estiveram envolvidos na criação desse enorme complexo. Ou seja, é um local super relevante para a história recente da Ucrânia e eu fiquei bem empolgada quando surgiu a oportunidade de visitá-lo em uma passeio guiado em novembro do ano passado.

Continue Reading…

Cultura

Vozes de Tchernóbil – Svetlana Aleksiévitch

February 21, 2017

Mês passado li o aclamado livro da jornalista Svetlana Aleksiévitch, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura de 2015. Ela nasceu na Ucrânia em 1948, mas viveu boa parte da sua vida na Belarús (ou Bielorrússia). O livro traz depoimentos de pessoas que tiveram suas vidas completamente transformadas pelo acidente nuclear ocorrido em abril de 1986. Em 2016, a editora Companhia das Letras o publicou pela primeira vez no Brasil e eu tenho algumas críticas a fazer a essa edição. Me pareceu que a editora quis pegar carona no hype do Nobel e publicou o livro sem atualizações, o que induz a um raciocínio equivocado por parte dos leitores. A primeira publicação de Vozes de Tchernóbil é de 1997, ou seja, a edição brasileira foi publicada quase 20 anos depois e, de todas as resenhas que assisti no You Tube, nenhuma mencionou isso. Convenhamos que em 20 anos muitas coisas aconteceram, não é mesmo?

Provavelmente, muitas pessoas que foram entrevistadas pela autora nem estão mais vivas. A nota histórica que abre o livro está tão desatualizada que se torna completamente desnecessária. O projeto do abrigo para cobrir o reator número 4 citado nessa nota ficou pronto em novembro do ano passado (o vídeo abaixo é um documentário da BBC sobre a construção do abrigo) e não há nenhuma menção sobre isso. Daí em muitas resenhas que assisti as pessoas falam como se o reator estivesse lá abandonado com a mesma cobertura construída às pressas em 1986. A editora simplesmente traduziu o livro do jeitinho que ele foi publicado em 1997 e acrescentou somente o discurso que a autora fez na cerimônia do Prêmio Nobel em dezembro de 2015. Acho que um livro de não-ficção merece um trabalho mais cuidadoso no que diz respeito a notas mais esclarecedoras e atualizadas.

Continue Reading…

Cultura, Kiev

Visita ao Holodomor Museum

November 28, 2016

Na última quarta-feira, visitei o memorial às vítimas do Holodomor, o genocídio de ucranianos provocado por Stalin entre 1932 e 1933. Голодомор (holodomor) foi uma fome provocada que exterminou entre 7 a 10 milhões de ucranianos, não se sabe o número exato por conta da ausência de registros. Голод significa fome, a causa da morte desses milhões de ucranianos que tiveram toda sua produção agrícola confiscada por uma política adotada por Stalin, que não queria que houvesse propriedade privada. Essa ideia de coletivização da União Soviética não era nada popular entre os camponeses ucranianos. Além disso, ele temia que o movimento de independência ucraniano ganhasse força e atrapalhasse seus planos. Os bolcheviques queriam que a Ucrânia fizesse parte da Rússia, mas a nação queria ser independente e durante o período soviético se tornou uma República Socialista Soviética.

Continue Reading…

Cultura

Mikhail Bulgákov – O Mestre e Margarida

September 12, 2016

No início desse mês terminei a minha primeira leitura de um autor ucraniano e, conforme prometido, vim aqui compartilhar mais uma experiência de imersão na cultura ucraniana (filosofei agora hein!). Escolhi “O Mestre e Margarida” para começar minha jornada na literatura ucraniana simplesmente porque ele é considerado um dos mais importantes e cultuados livros do século XX. Ele está na lista de livros favoritos de David Bowie, Patti Smith, Daniel Radcliffe (eterno Harry Potter) e inspirou Mick Jagger a compor “Sympathy for the Devil”, um clássico do rock. Franz Ferdinand e Pearl Jam também têm músicas inspiradas nessa história.

Continue Reading…

Cultura

Ucrânia no cinema: A Batalha de Sevastopol

August 2, 2016

Há algumas semanas assisti o filme Battle for Sevastopol (2015) que conta a história da ucraniana Lyudmila Pavlichenko, uma sniper do exército soviético na Segunda Guerra Mundial. Ela era conhecida pelo “singelo” apelido de Lady Death, graças à quantidade de mortos em seu caderninho de anotações. Não vou dar spoiler sobre o número de pessoas que ela matou para despertar sua curiosidade e aconselho a NÃO ler nada na Wikipedia simplesmente porque tudo que está lá acontece no filme, então é melhor assistí-lo na completa ignorância como eu assisti.

Continue Reading…

Cultura

Ucrânia no Cinema: Encouraçado Potemkin

May 24, 2016

Já escrevi alguns posts sobre a Ucrânia no cinema, mas ainda não tinha falado sobre esse clássico do cinema mundial. Esse filme entrou na minha vida quando eu tinha uns 15 ou 16 anos de idade e não sabia nem apontar a Ucrânia no mapa. Meu pai pegou esse filme na locadora pra mim (e nem era DVD, era VHS mesmo) porque eu estava numa fase meio apaixonada pelos filmes do Charles Chaplin. Clássico, mudo e preto e branco? Check. Agora advinha se eu tive paciência para assistir? Lógico que não. O filme nem é longo nem nada, mas me faltava maturidade mesmo. Afinal, ele está bem longe de ser engraçadinho como os filmes do Chaplin.

Corta para 20 anos depois e eu mais madura, morando na Ucrânia e com viagem marcada para Odessa, cidade onde se passa a história. Momento perfeito para dar uma segunda chance para a película, ainda mais agora que o You Tube está aí para facilitar a vida da gente. E agora sim, tudo fez sentido e eu entendi o grande motivo desse filme ser um clássico do cinema mundial. A famosa sequência da escadaria é realmente FAN-TÁS-TI-CA. Especialmente quando você lembra que esse filme foi lançado em 1925. O diretor Sergei Eisenstein conseguiu transmitir a sensação de desespero de forma fenomenal. E agora todas as cenas clássicas de escada me fazem pensar que é uma referência a esse filme. Sério, se você gosta de cinema, precisa sentar e prestar atenção nele e em todos os símbolos usados para passar a mensagem que o diretor quis passar.

Continue Reading…

Cultura

Yevgeny Khaldei – Fotógrafo Ucraniano

July 31, 2015

Yevgeny Khaldei foi um importante fotógrafo da União Soviética. Ele nasceu em Donetsk em 1917 e era judeu. Fotógrafo autodidata, fabricou sua primeira câmera com papelão e as lentes dos óculos de sua avó. Contratado pela agência de notícias soviética Tass, cobriu a Segunda Guerra Mundial desde a abertura da frente russa em 1941. Acompanhou o avanço do Exército Vermelho pelas regiões da Crimeia, dos Balcãs, da Hungria e da Romênia até chegar a Berlim, onde registrou o momento que um soldado içava a bandeira vermelha sobre as ruínas do Reichstag. Porém, essa cena não foi espontânea: Khaldei convenceu dois soldados a içar uma bandeira feita por seu tio com uma toalha de mesa. Ele se inspirou numa fotografia de Joe Rosenthal e sua intenção era glorificar as tropas soviéticas. A imagem rodou o mundo, mesmo retocada para eliminar alguns detalhes (relógios que denunciavam as pilhagens de corpos em Berlim) e incluir fumaça no horizonte para criar um efeito de batalha, quando na realidade Hitler já estava morto há 2 dias.

Continue Reading…