Cotidiano

Tentando manter a sanidade mental

June 3, 2020

Passei uns dias evitando um pouco as notícias em nome da minha paz mental. Daí vi por alto que estava rolando uns protestos nos EUA por conta de racismo e depois rolaram uns no Brasil e aí começa a pipocar uns posts antirracistas e anti-fascistas no meu feed do instagram. Antes de dar opinião sobre qualquer coisa, procuro entender a situação primeiro. Tinha conversado recentemente sobre a situação no Brasil com uma amiga que é historiadora e ela comentou sobre a bandeira da Ucrânia nos protestos. Eu tinha ouvido falar, mas não tinha ido atrás. Até que liguei os pontos.

Já tem um tempo que mudei o rumo da prosa desse blog porque não quero atrair gente bizarra pra cá. Dia desses recebi um comentário de um paraquedista no primeiro post sobre a minha viagem para Moscou. A pessoa tirou umas conclusões sobre o governo da Rússia baseado numa curta visita que ela fez à capital do país e entendeu que meu post comprovava a conclusão dela. Esse comentário não foi aprovado porque essa pessoa claramente não lê o blog, senão ela saberia a minha opinião sobre o presidente da Rússia.

Preste bem atenção a partir do minuto 6:50

Desde o início desse blog, evito falar diretamente sobre política porque esse não é o foco. Porém, abordo temas culturais e históricos e eles estão interligados, então acabo falando de política pelas beiradas e tomando muito cuidado porque eu sabia que tocar nesse assunto era mexer num vespeiro. Logo que criei o blog já apareceram algumas pessoas esquisitas e eu parei de divulgá-lo em redes sociais.

Daí veio a fatídica invasão em outubro de 2018, logo após eu postar sobre os museus que visitei em Moscou. Coincidência? Nunca saberei. Só sei que estava aquela loucura das eleições no Brasil e bots, fake news, “ameaça comunista” e blábláblá. E essa narrativa só vem piorando desde então. Até que aparece uma bandeira de um grupo de extrema direita da Ucrânia nos protestos no Brasil. E é por isso que eu tinha resolvido mudar o rumo da prosa desse blog, pois não quero ser associada a esse tipo de gente.

Nunca dei essa carteirada aqui antes, mas sou educadora de formação e desisti da minha profissão porque ela é extremamente desvalorizada no Brasil e eu não queria fazer parte de um sistema que não ensina as pessoas a pensar. A educação no Brasil falhou e falhou feio e o resultado veio nas últimas eleições. Comentei nesse post que nós brasileiros sabemos pouquíssimo sobre socialismo, comunismo, União Soviética, fascismo, nazismo e política. Esta foi uma das motivações para criar esse blog, aprender e compartilhar esses aprendizados. Já parou para pensar por que sabemos tão pouco sobre esses temas? Será que é por acaso? Fica aí a reflexão.

Antes de me mudar para a Ucrânia, ouvi alguns brasileiros reproduzindo essa narrativa da Ucrânia fascista. Morando lá, pesquisando e lendo muito, tentando entender o que estava acontecendo, descobri que essa era a narrativa usada pela mídia russa. A intenção é reforçar que a Ucrânia se tornou uma inimiga e justificar o conflito separatista no leste do país. Se a Euromaidan fosse um golpe fascista (como a mídia russa dizia), por que eles convocariam eleições para presidente e para o parlamento?

A partir do momento que os apoiadores do presidente do Brasil usam a bandeira de um grupo extremista da Ucrânia (que não representa a maioria da população ucraniana) e protestam contra as pessoas que pedem democracia, eles estão reproduzindo exatamente a narrativa da mídia russa, do golpe fascista. Isso é a tal da “ucranização” do Brasil: um golpe que nem sequer aconteceu na Ucrânia.

Só que na Rússia criaram essa narrativa para que os russos fiquem contra os ucranianos, enquanto no Brasil os apoiadores do presidente acham uma ideia Brilhante (fazendo aqui um trocadilho com o herói do presidente) dar um golpe e destruir a democracia. Olha, são tempos difíceis para os brasileiros. Que fique bem claro que aqui nesse blog, fascistas, nazistas e racistas NÃO PASSARÃO! Me conta aí nos comentários o que vocês estão achando sobre isso tudo.

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply Gabi June 10, 2020 at 5:17 pm

    Excelente leitura, Ale. Eu confesso que nunca soube muito bem dessa historia da Ucrania, e continuo sem saber, mas desde o princípio essa narrativa me soa MUITO estranha. Por aqui,s eguimos como aí: fascistas NÃO PASSARÃO!

    • Reply Alessandra June 11, 2020 at 11:20 am

      Não é só você, muita gente não entende, até porque o assunto é bem complexo. E claro que tem gente que se aproveita dessa complexidade para deturpar a história toda porque sabe que pouquíssimas pessoas irão atrás para saber o que é realmente verdade. Apareceu uma bandeira de Israel também lá no meio do protesto do lado dos apoiadores do presidente do Brasil. É narrativa estranha, atrás de narrativa estranha. Muito triste ver tudo isso acontecendo…

    Leave a Reply