Cotidiano, Cultura

Eu procrastino, tu procrastinas?

January 16, 2019

Primeiro mês do ano e aquele pensamento de “o que vou fazer esse ano?”, avaliação sobre “o que fiz no ano passado?” tomam conta da nossa mente não é? Então, achei que esse era um bom post para tirar do rascunho. Planejar é uma coisa, partir para ação já é outra história e no meio mora a famosa procrastinação.

Quando fui para Moscou no ano passado, visitei o Center of Photography The Lumiere Brothers e uma das exposições que estavam lá era do fotógrafo japonês Ikuru Kuwajima. Ele se inspirou no livro “Eu, Oblomov”, escrito por Ivan Goncharov em meados do século XIX, para criar essa série fotográfica cujo tema é justamente a tal da procrastinação que ganhou o nome de “oblomovismo” na Rússia por conta do personagem principal dessa história.

Me peguei dando umas boas risadas ao ver as fotos na exposição porque super me identifiquei. Quem nunca falou “agora eu vou emagrecer!”, pagou o plano da academia, comprou tênis, comprou roupa e abandonou o barco no meio do caminho? A foto acima ilustra bem isso. 

Inclusive, o fotógrafo estava lá na exposição fazendo seus autorretratos e eu queria falar com ele, mas fiquei com vergonha e também não queria atrapalhar o trabalho dele. A série virou exposição e livro, que eu trouxe comigo. Adorei a sagacidade da capinha de tecido que lembra um cobertorzinho ou travesseirinho. Todo um conceito envolvido e, como adoro um conceito, lógico que esse livro veio morar na minha casa.

A identificação foi tão grande que peguei umas fotos antigas minhas que casam perfeitamente com trechos do livro. “E ele estava orgulhoso que não precisava ir a lugar nenhum com um relatório ou qualquer documento para escrever e tinha espaço para suas emoções e imaginação”. Eu na vida. Não sinto nenhuma saudade do meu antigo trabalho na administração pública e espero nunca mais precisar voltar para esse tipo de trabalho.

Abaixo, cartaz do Iron Maiden na parede ao lado de dois cartazes da banda soviética Kino e um pedacinho de um cartaz do Metallica. Falei no último post que esse é um ritual meu – apenas ouvir música sem fazer mais nada além disso. A banda Kino é a Legião Urbana da União Soviética e ouvi bastante Iron Maiden e Metallica durante a adolescência, então a foto abaixo é praticamente um retrato meu adolescente, uma época em que a internet não fazia tanto parte das nossas vidas como hoje em dia.

Por fim, a foto que apareceu no último post com o trecho “onde elas estão então, essas asas?”. As asas da imaginação estão aqui comigo. Tenho muitas ideias, mas vencer a preguiça e colocá-las em prática é um grande desafio, então vivo num eterno conflito porque quero fazer mil coisas, mas também preciso desse tempo para viajar pra dentro.

Esse post estava aqui no rascunho há um tempo, mas o blog enfrentou uns problemas técnicos por conta de um vírus maldito e teve que ser migrado para outro servidor. A Ucrânia é um país de alto risco dentro do universo da tecnologia, então meu IP é automaticamente bloqueado em alguns servidores, por isso não consigo acessar alguns blogs. Agora, meu próprio blog está nessa situação e eu preciso usar VPN para escrever aqui ahhahha. Ai, ai, só rindo mesmo. Uma hora escrevo sobre a outra exposição fotográfica que vi nesse mesmo dia e mostro o livro que tem relação direta com a Ucrânia.

You Might Also Like

8 Comments

  • Reply Gabi January 16, 2019 at 7:07 pm

    Alé, de procrastinadora pra procrastinadora, te digo que pelo menos seu ócio é criativo hahahaha Você vê poesia em tudo, e isso é lindo demais <3

    • Reply Alessandra January 17, 2019 at 6:16 pm

      Gabi, sou viajadora na maionese profissional hahhaha Amo que tem gente parecida comigo espalhada pelo mundo. <3

  • Reply Taís January 17, 2019 at 1:34 am

    Alê, amei demais esse post e também me identifiquei. Eu procrastino muito e adoro ter esse meu momento de focar nas minhas emoçoes e imaginação. Minha imaginação vai longe e também adoro ficar ouvindo musicando fazendo vários nadas. Uma coisa que queria mto esse ano era procrastinar menos e conseguir fazer mais coisas. Pq fico pensando, tendo várias ideias e planos nesses momentos, mas colocar em pratica realmente é outra historia haha
    E esse livro, eu amei demais, queria um pra mim também.

    Espero que vc consiga resolver essas tretas do blog, osso ter que ficar usando vpn pra acessar o proprio blog, socorro haha
    Bjus <3
    E feliz 2019! ♥

    • Reply Alessandra January 17, 2019 at 6:21 pm

      Que feliz em saber que tu também é assim! Na real eu faço coisas, mas é que tem umas coisas que levam tempo para gerar um resultado daí dá impressão que a gente está procrastinando. Na real, eu procrastino coisas chatas. Quando é algo que eu gosto, me envolvo a ponto de passar horas fazendo. Toma nota das ideias e vai executando na medida do possível, sem se cobrar muito. Assim elas vão se concretizando aos poucos. Quanto ao livro, você pode comprar pelo site do fotógrafo.
      Beijos e feliz 2019 pra você também!

  • Reply Ana Poli January 20, 2019 at 3:48 pm

    Alê, você chegou a ler aquele artigo sobre nossa geraçao ser a geraçao “burnout”? Entao, no começo o artigo fala sobre procrastinaçao, e no fim eu nao sei, porque deixei salvo pra ler depois e adivinhe? estou procrastinando até agora… (risos de desespero)

    • Reply Alessandra January 21, 2019 at 12:23 pm

      Oi Ana, não li. Qual é esse artigo? hahahhaahahh você procrastinou a leitura de um artigo que falou sobre procrastinação #tamojunto

  • Reply BA MORETTI February 4, 2019 at 6:21 pm

    “vivo num eterno conflito porque quero fazer mil coisas mas também preciso desse tempo para viajar pra dentro” É ISSO MEUDEUS HAHAHAHA me identifiquei tanto que não sei nem mais o que dizer, apenas sentir HAHAHHAH ♥

    • Reply Alessandra February 5, 2019 at 12:50 pm

      Amo quando encontro pessoas como eu! hahahahha Só de identificar que a gente precisa desse tempo, já é um bom sinal e temos que respeitar isso senão a gente pira porque hoje em dia tem informação demais o tempo todo e dá bug no cérebro, tipo overdose.

    Leave a Reply to Ana Poli Cancel Reply